sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A vítima nunca é culpada. A culpa é do *Patriarcado!

imagem do site: biscatesocialclub

A cada dia o nosso país vem retrocedendo nas políticas públicas, no respeito as diversidades de gênero, de etnias, de religiosidade e regional. São tempos em que a diversidade que deveria ser nosso maior orgulho, se torna um instrumento gerador de violências.  PARA PIORAR, A CULPA QUASE SEMPRE É ATRIBUÍDO AS VÍTIMAS.  É doloroso pensar que um país tão diverso de pessoas, identidades, sotaques e culturas tenham um pensamento tão retrogrado e quem sofre mais com a perda e falta de reconhecimento desses direitos SÃO AS MULHERES. 

Para saber e medir quais os efeitos dos dez anos da lei Maria da Penha, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública produziu um survey (um método de pesquisa onde o pesquisador pretende investigar o que, porque, como ou quanto se dá determinada situação de violência) focando na percepção da população em relação às mulheres que são vítimas de violência sexual e sobre o atendimento às vítimas por parte dos operadores policiais. Sabemos que mesmo com a criação de delegacias de atendimento as mulheres e a efetivação da lei, as mulheres negras ainda são menos beneficiadas, dado o aumento do homicídio de mulheres negras nas várias regiões do país.  

Uma pesquisa do Datafolha publicada quarta-feira (21/9) aponta que: “UM EM CADA TRÊS BRASILEIROS ACREDITA QUE, NOS CASOS DE ESTUPRO, A CULPA É DA MULHER”.  E que 33,3% da população brasileira dentre os 3.625 pessoas de 217 cidades que foram entrevistados, ACREDITAM QUE A VÍTIMA É CULPADA.  O estudo também apontou que 65% dos brasileiros temem sofrer algum tipo de violência sexual. O temor é muito maior entre as mulheres e é sentido por 85% delas. O medo de ser estuprada também varia conforme cada região do Brasil. No Nordeste, por exemplo, o índice de mulheres que receiam ser vítimas do crime chega a 90%. No Sul do país, é de 78%.

Outro dado estarrecedor que a pesquisa revela é que para a maioria da população, as leis nacionais protegem os estupradores. Além do estudo apontar que a atuação das polícias também é questionada por grande parte dos brasileiros: 51% afirmaram não acreditar que a Polícia Militar (PM) esteja preparada para atender mulheres vítimas de violência sexual e 42% pensam o mesmo da Polícia Civil.  Essa pesquisa foi encomenda pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública onde a integra da pesquisa pode ser lida no site do fórum (Clique aqui) 

Se você, como nós também se preocupa com essa situação e quer ajudar a combater o machismos que mata e violenta diariamente meninas e mulheres, compartilhe essa informações alertando seus amigxs, familiares e colegas mais próximos o quanto ainda precisamos avançar na luta e na efetivação dos direitos humanos, POIS NÓS NÃO ACREDITAMOS QUE A CULPA SEJA DAS MULHERES e sim da cultura machista e do patriarcado, que precisamos cada dia mais e mais desconstruir.  
*Significado da Palavra














Assista  também o vídeo:  O patriarcado racista em dados. 

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Consulta pública para criminalizar a LGBTfobia no Brasil

Ei... dá um pit stop na sua caçada de Pokémon e some com agente na criminalização da LGBTFOBIA.  Bora lá na pressão popular!
É que o Senado Federal abriu na noite do dia 12 de setembro, uma consulta pública sobre um projeto que visa criminalizar a LGBTfobia no Brasil. A proposta é que sendo aprovado o projeto, a lei terá o mesmo peso no crime de racismo.

Bora lá exercitar os dedinhos?!

É simples, o que você precisa fazer é entrar no site e votar “A Favor”. E pelo que parece, dá para votar mais de uma vez.  
Depois é só divulgar o link com seus amigxs e conhecidxs e ajudar a criminalizar o preconceito que mata diariamente jovens inocentes.


Se você ainda não sabe por que votar a favor, é só dá o play no vídeo abaixo para ver o quanto a LGBTfobia(aversão a Lésbicas,gay Bi é Transexuais)  vem deixando marcas  muita gente.



.

.

Projeto Co-Financiado

Projeto Co-Financiado