quarta-feira, 17 de maio de 2017

Violência sexual e as tecnologias da informação , como lidar?

As novas tecnologias da informação e da comunicação (TIC’s), vem mudando aos poucos nosso estilo de vida. Há quem se questionem como nossos pais e avós conseguiam viver sem as comodidades e facilidades que as TIC’s agregam ao nosso cotidiano, mas, era sim possível e da mesma forma que as TIC’s vieram nos facilitar a vida, elas podem nos atrapalhar.

Poderíamos ficar horas dizendo dos benefícios e malefícios que o mal uso das TIC’s nos trazem nas diversas áreas da vida, entretanto, falaremos apenas de um aspecto: O DESENVOLVIMENTO DA SEXUALIDADE DE FORMA SAUDÁVEL. Já parou para pensar o quanto as “TIC’s” podem interferir nos nossos comportamentos, relacionamentos familiares e sociais, a saúde afetiva e sexual de todxs?

Atualmente as crianças e os adolescentes vivem em dois mundos: aquele que todos conhecemos, o mundo real, e o mundo virtual. O segundo parece muito mais interessante e surpreendente, oferecendo aventuras e oportunidades à busca pela autonomia, mas também, perigo e riscos. 
“O espaço cibernético, o mundo da internet e a velocidade da comunicação se tornaram o "lugar vivo de verdade" onde todos se encontram, aprendem, jogam, brincam, brigam, trocam fotos, ganham dinheiro, começam e terminam amizades e namoros”.

E sendo esse o lugar tão” vivo”, exerce uma grande influência ao desenvolvimento. Ao ponto de sofrermos violência graves que prejudicam e muito sua saúde física e psíquica. Quem nunca recebeu
ou compartilhou um nude que libere a senha do telefone! Brincadeiras à parte, o fato é que o problema não esta na ferramenta, mas sim em quem não a utiliza de uma forma adequada. O mais preocupante são as redes de pornografia, de pedofilia e de exploração sexual digital, com aliciamento de crianças e adolescentes e a produção de material com cenas de sexo explícito envolvendo menores de 18 anos.

No Brasil, o artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente (E.C.A.), que trata do crime que diz respeito à exploração sexual de crianças e adolescentes pela internet, prevê a responsabilização desses atos. Entretanto, esses crimes continuam sendo cometidos contra meninas e meninos, inclusive

pelos usuários terem em mente que a Internet é terra de ninguém, esquecendo que existe um
marco civil regulatório do uso das TIC’s. 

As grandes empresas de comunicação também devem fazer seu papel no combate as violências,
podendo ser também responsabilizadas. O cidadão pode se valer ainda de importantes canais
para cercear esse e outros tipos de violência como o serviço Disque 100, www.denuncia.org.br ou o sistema SaferNet Brasil www.safernet.com.br . 

Nesse cenário, Infelizmente, crianças e adolescentes não são mais apenas vítimas, mas também têm figurado como agentes de violência, numa lista cada vez maior de delitos cibernéticos, como ameaça, instigação ao suicídio, cyberbullying e a pornografia. Cabe a nós ainda orientar meninas e meninos sobre esse comportamentos que não contribui em nada no processo de desenvolvimento saudável, apresentando-lhes novas possibilidades de atitudes respeitosas nas relações que estabelece. sejam elas no mundo real ou no mundo virtual.  

 Por fim para saber como lidar nessa proteção acesse o link disponibilizado pelo CEDECA-BA em relação a essas altitudes http://www.cedeca.org.br/tira_duvida.cfm#td1 .

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Como eu, minha organização ou o movimento pode contribuir com o 18 de Maio?



Para auxiliar nessa tarefa de mobilização, nós da campanha Ana junto ao Comitê Nacional de Enfrentamento a Violência Sexual e a Rede Ecpat Brasil preparamos algumas dicas com sugestões de atividades relacionadas a essa importante agenda que se aproxima: O Dia 18 de Maio.
Não podemos deixar de mobilizar nossos amigos, familiares, conhecidos e os representantes do Poder Público em nossa cidade para o fato de que a VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MENINAS E MENINOS ainda é uma realidade em nosso país. Mas antes, é bom lembrar o porquê do surgimento desse dia.
O dia 18 DE MAIO foi instituído pela Lei Federal 9.970/00, como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, a data foi escolhida, porque em 18 de maio de 1973, em Vitória–ES, um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Crime Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas 8 anos de idade, que foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada por jovens de classe média alta. Esse crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune. 
Precisamos deixar claro para toda a sociedade que crianças e adolescentes tem direito a desenvolver sua sexualidade de forma segura e protegida, e que o seu corpo precisa ser respeitado. A intenção do 18 DE MAIO é destacar a data para mobilizar e convocar toda a sociedade a participar dessa luta. Mas ás vezes temos dificuldades de falar desse tema, por que falar de violência sexual   é intender que esse não é um problema isolado, daí significa falar de gênero, de machismo, de identidades e tudo que envolve o desenvolvimento da nossa sexualidade. Tema que para muitos, ainda é cercado de tabus. O que não impede de podermos ter atitudes simples para ajudar na luta contra essa violação de diretos. 

Vamos a elas:

1. DENÚNCIA
Se houver suspeitas que qualquer forma de violência sexual existe caminhos que os pais, responsáveis ou as próprias crianças e adolescentes podem procurar. Por exemplo, o conselho tutelar, as delegacias, o juizado da infância e juventude ou mesmo pegar um telefone e discar o número 100, que é um disque denúncia nacional para combater qualquer violência, inclusive a sexual. É importante destacar que a ligação é gratuita e você não precisa se identificar. Outra atitude que pode ser feita é a de apoio à campanha, e também se juntar a rede de combate da violência sexual de sua cidade, como também de outras ações de defesa e garantia dos direitos das crianças e adolescentes. Esta é uma atitude que qualquer pessoa, organização ou movimento pode e dever deve fazer.  Se ainda houve dúvidas que como realizar a denúncia (cliquei aqui)


2. COMO APOIAR A CAMPANHA NACIONAL?
Ao desenvolver as ações no seu município, não deixe de incluir nos materiais de comunicação e mobilização os elementos da campanha nacional do 18 de Maio. Dessa forma, seu município contribui para disseminar os símbolos e o slogan da campanha, ampliando o número de pessoas que passa a reconhecer as referências nacionais da luta pelo combate à violência sexual.

O SÍMBOLO: A campanha tem como símbolo uma flor, como uma lembrança dos desenhos da primeira infância e uma associação entre a fragilidade de uma flor e a de uma criança. Nesse sentido,
o desenho tem como objetivo proporcionar maior proximidade e identificação da sociedade com a causa do enfrentamento à violência sexual. Esse símbolo surgiu durante as mobilizações do 18 de Maio em 2009. Porém, o que era para ser apenas uma campanha se tornou o símbolo da causa, a partir de 2010. Nos últimos anos, o slogan utilizado pela campanha tem sido o Faça Bonito - Proteja nossas crianças e adolescentes. A proposta é chamar a sociedade brasileira para assumir sua responsabilidade na prevenção e no enfrentamento ao problema da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes.

No site da campanha você pode baixar as peças e artes com o símbolo da campanha, além do texto base 2017 https://www.facabonito.org.br/downloads
Já se você quer mostrar a todos os seus amigos virtuais que está apoiando a campanha você pode colocar a flor na sua foto de perfil pelo link http://bit.ly/facabonitonaminhafoto


3. SOBRE O QUE MOBILIZAR?
POLÍTICAS DE ATENDIMENTO 
Nesses 27 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, a proposta é que a principal pauta política das mobilizações do 18 de Maio sejam as políticas de atendimento às crianças e adolescentes vítimas da violência sexual. Ainda que muitos avanços possam ser registrados no âmbito das políticas sociais nos últimos anos, os serviços de atenção às vítimas no âmbito da maioria dos municípios continuam marcados por fragilidades e lacunas. Nesse sentido, as mobilizações deste ano podem refletir sobre a realidade do município por exemplo: Como anda em sua cidade o atendimento às vítimas de violência? Como são avaliados os serviços de prevenção? Os profissionais da rede têm dado conta da demanda? O atendimento a crianças, adolescentes e suas famílias tem sido realizado de forma a lhes dar condições de superar a situação de violência? Além dessas questões, o 18 de Maio pode ser ainda um boa oportunidade para que as diretrizes apontadas pelas Conferências dos Direitos da Criança e do Adolescente, realizadas em anos anteriores, sejam também pautadas. Lembrando que as Conferências são instâncias de deliberação sobre as políticas municipais para a infância e, se devidamente monitoradas e cobradas, podem impactar na concretização de ações e recursos voltados aos direitos humanos de crianças e adolescentes.

DIREITOS SEXUAIS

Vale lembrar que a proposta do 18 de Maio é mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos sexuais de crianças e adolescentes. Por isso, assim como falar sobre prevenção e enfrentamento à violência sexual, a data é também um momento de abordar o tema da garantia dos direitos sexuais, cujos princípios asseguram a toda criança e
adolescente o direito ao desenvolvimento de uma sexualidade segura e protegida, livre do abuso e da exploração sexual.

Os direitos sexuais são um conjunto de normas que dizem respeito á liberdade sexual, autonomia, integridade e segurança, privacidade, prazer, escolhas livres e responsáveis, acesso à informação e exercício das formas de expressão sexual de maneira segura e livre de coerções.

Os direitos sexuais são muito atacados, principalmente por grupos fundamentalistas que os associam á ruptura com valores tradicionais. Quando se faz referência a crianças e adolescentes como portadores desses direitos, a negação é mais intensa. Porém, precisamos compreender porque há a negação desses direitos básicos e como isso implica na ação dos agentes sociais que trabalham diretamente com crianças e adolescentes.   

Somos educados a ver crianças e adolescentes pela ótica da religião, assim, elas seriam essencialmente “puras” e livres de pecado. Também somos treinados a ver o ato sexual como pecado ou ato imoral, e, aprofundando ainda mais, a restringir a compreensão da sexualidade ao ato sexual. Nessa visão crianças são comparáveis a anjos, e anjos todos sabem, não tem sexo. Há uma negação cultural da sexualidade da infância, que rebate diretamente na forma como educamos as crianças, omitindo delas conhecimentos básicos sobre seus corpos e expressão no mundo, porém isso não faz com que esses sujeitos deixem de explorar seus corpos, e, à medida que os vivenciam, as reprimimos e assim, criamos sobre a sexualidade o peso do segredo tornando-as muito mais vulneráveis a diversas violações sexuais. Falar de direitos sexuais de crianças e adolescentes é, sobretudo, afirmar que as crianças e adolescentes são sujeitos que precisam se determinar com liberdade, livres de violências e opressões. 




Alguns desafios estão colocados para que consideremos crianças e adolescentes LGBTI no campo das políticas públicas. Partimos do pressuposto que para uma política pública ser efetiva é necessária vontade política, destinação orçamentária e capacidade técnica, e que além dessas questões objetivamente verificáveis há um contexto que influência cada uma dessas questões. 

A influência das crenças sobre o Estado impacta em diversos campos da política, desde a decisão no campo macro até o trato direto a crianças, adolescentes e suas famílias no micro. Além das leis serem influenciadas por essas forças conservadoras que se organizam sistematicamente para ocupar os espaços de poder e decisão. Os agentes do Estado que estão nos serviços também são impregnados dessas concepções e na sua grande maioria, não separam o serviço público de suas crenças
individuais.
Assim, a escola tende a reafirmar a heteronormatividade e o binarismo de gênero, a saúde tende a encontrar formas de regulamentação dos corpos e a assistência ira compreender a família a qual intervém a partir das lentes do binarismo e da heterossexualidade compulsória.
Crianças e adolescentes travestis e transexuais não têm sua identidade de gênero respeitada em nenhum dos campos da sociedade, e o resultado direto disso é muita violação de direitos, desde o direito à convivência familiar e comunitária, a educação, a saúde integral e seus direitos sexuais, uma vez que é a prostituição o único lugar onde são socialmente aceitas.
Adolescentes bissexuais, lésbicas e gays são recorrentemente objeto de violência familiar e na comunidade, de estupros corretivos e expulsão de suas casas e famílias por não se adequarem ao modelo imposto.
Crianças intersexuais são objetos de mutilação medica para adequação de sua genitália que pode interferir em sua vida sexual para sempre e quando as famílias se recusam aos procedimentos cirúrgicos, essas crianças não têm acesso ao registro civil provocando a negação de vários outros direitos.
Poderíamos citar inúmeras violências as quais as crianças e adolescentes LGBTI são submetidos em nossa sociedade. As questões já citadas, nos apontam que precisamos pensar também nessas dimensões.


 PLANO DE ENFRENTAMENTO

Outro tema relevante para a pauta das mobilizações do 18 de Maio está relacionado à implementação
do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, assim como dos planos estaduais e municipais. A efetivação do Plano Nacional terá reflexos diretos no desenvolvimento das políticas e ações municipais e, nesse sentido, torna-se uma questão central na garantia dos direitos de meninos e meninas. Da mesma forma, o processo de elaboração e implementação do Plano Municipal de Enfrentamento, a partir da coordenação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), constitui um passo fundamental para o planejamento das políticas de atendimento à infância. Portanto, mobilizar e fortalecer o diálogo entre os atores do Sistema de Garantias dos Direitos, preconizado pelo ECA, também deve ser uma pauta central nas mobilizações do 18 de Maio.

4. QUE CONTEÚDOS USAR?
Existem uma infinidade de conteúdos que nos ajudam a refletir, se informa e se inspirar  para o debate necessário sobre a violência sexual.   Você pode acessar no link abaixo algumas publicações que sugerimos.  (clique aqui)  Mas  se você vai conduzir alguma atividade, seja  ela com adultos, crianças ou adolescentes é importante  se preparar e ter cuidados  na condução. Lembre-se   Esse é um assunto muito delicado para quem foi vítima da violência sexual.  Abaixo destacamos esses cuidados:

Alguns cuidados relevantes na condução das atividades
  •   Antes de abordar o tema da violência sexual, o facilitador da atividade deve preparar o grupo com dinâmicas que falem sobre os seus direitos, situando os direitos sexuais no contexto dos direitos humanos.
  •         É importante também fazer um acordo com o grupo para que não sejam expostos casos específicos de meninos ou meninas que tenham vivido ou estejam vivendo situações de violência sexual, tanto os que estejam presentes no local ou mesmo os que sejam conhecidos da comunidade, pois isso pode acabar gerando outras situações de violência.
  •         Na condução da atividade, observe como o público reage ao assistir ao vídeo, pois pode haver no grupo pessoas que passaram ou passam por essa situação. O que recomendamos, caso haja necessidade, é que alguém do grupo se coloque disponível para uma conversa em particular.
  •         É importante também enfatizar nas atividades que as pessoas que passam ou passaram por essa situação de violência podem e devem reconstruir sua história e projeto de vida – se necessário, com a ajuda de profissionais.
  •         O facilitador deve ter segurança em trabalhar com os temas da violência sexual e conhecer minimamente os fluxos de atendimento às vítimas de violência ou saber indicar os caminhos para que as pessoas busquem essa informação.
  •         É legal que o facilitador introduza a oficina dizendo que existem diferentes fases no desenvolvimento da sexualidade e que esse é um processo natural. O que não é legal é que crianças e adolescentes não possam viver essas fases de forma saudável e segura, em função de situações que se caracterizem como violência sexual.
  •         E, por fim, é interessante que o facilitador reforce nas oficinas, a partir do material exibido, a informação sobre como crianças e adolescentes podem se prevenir da violência sexual e também denunciá-la.
Bem se você chegou até aqui é porque tem grande interesse em contribuir com a causa.   E nós achamos ótimo!  Pois o nosso trabalho é feito de formiguinhas uns ajudando aos outros e espalhando a importância da proteção de meninas e meninos.
Por isso para você ou sua instituição fazer bonito, e também para que esse post não fique tão longo, abaixo terá vários links com outras informações.  Ah não se esqueça de compartilhar suas atividades e mobilizações em alusão ao 18 de Maio.  Se puder nos marcar nas redes sociais vamos compartilhar com todos as informações que chegar. 

Conteúdos de apoio: Download 

Sugestões de atividades: Download 

Filmes curtos:  Download 

Filmes longos: Download 

Flor para colorir:  Download 



terça-feira, 2 de maio de 2017

Entrevista: Por uma educação que contemplem as Diversidades

A escola e os espaços de ensino e aprendizagem, não estão isolada da realidade social, esse espaços fazem parte do nosso cotidiano e por lá aprendemos conteúdos e praticas permeada de valores. E
claro todos eles são importantes. Mas quando esse valores e comportamentos são utilizados como forma de opressão de um grupo é que devemos repensar esse lugar de socialização de saberes e conhecimentos. 
Pensando nisso e entendendo esse espaços como diversos e plurais, foi que a equipe da campanha Ana conversou com Toni Reis. A partir de algumas questões levantadas por nós, eles nos apontou reflexões que precisam ser feitas em todos os espaços onde a educação para vida se faz presente.

Aos 52 anos, Toni Reis é professor por profissão e casado com David há 27 anos. Juntos São pais de dois filhos e uma filha, atualmente com 16, 11 e 14 anos, respectivamente. São defensores da causa da adoção, independente da idade e/ou outras características. Entendem que as famílias são plurais e diversas, o importante é o amor e o afeto.Toni é militante no movimento LGBTI desde meados dos anos 1980. Foi ele um dos fundadores do Grupo Dignidade em 1992 e foi também o primeiro presidente da ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, quando foi fundada em 1995. 
Acesse  a entrevista  com ele onde aborda os aspectos da sua militância e os desafios que o ambientes da escola enfrentam  na  educação  para  as diversidades.  ( Clique aqui) 

Projeto Co-Financiado União Europeia

Projeto Co-Financiado União Europeia
Os conteúdos deste blog foi elaborado com a participação financeira da União Europeia. O seu conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seus realizadores, não podendo, em caso algum, considerar que reflita a posição da União Europeia

...

Visitas